Vasco x Flamengo

Vasco e Flamengo duelam desde o final do século XIX, ainda nas regatas. Em 1900, a embarcação vascaína saiu vencedora no páreo que levava o nome do rival. Em 1904, o Vasco elegeu seu primeiro presidente mulato, uma afronta à elite rubro-negra e a seus co-irmãos. Em 1923, a rivalidade chega ao futebol, quando o esnobado time de negros passa a ser invejado e combatido ao conquistar o título mais importante do país, o campeonato da capital federal.

Surge, também, naquele ano, a torcida arco-íris, formada pela união dos derrotados dispostos a impedir que o Vasco se sagrasse campeão invicto. Nas Laranjeiras, tendo seu gol de empate anulado pelo árbitro Carlito Rocha do Botafogo, o Vasco é derrotado pelos flamenguistas, que saíram em passeata até a Lapa, acompanhados por tricolores e botafoguenses, comemorando o feito como um título. Em frente ao restaurante Capela, reduto vascaíno, briga generalizada e a consolidação da rivalidade que passaria para fora do campo, com Vasco e Flamengo em lados opostos.

Desde então, os rubro-negros incrementaram seu arco-íris, com Fla-Madrid (98), Fla-Manchester (00), Fla-Ritiba, Fla-Coxa (11), entre outras. Esta rivalidade tem sido benéfica para ambos, principalmente, comercialmente. Ser odiado pelos flamenguistas significa termos a torcida contrária de supostos 30 milhões de rubro-negros; são mais flamenguistas na frente da TV, maior audiência em nossos jogos e maior valor do espaço publicitário de nossa camisa.

Porém, infelizmente, nos últimos anos, a rivalidade entre Vasco e Flamengo passou a se sustentar apenas pelas bravatas. A antiga diretoria não conseguiu rivalizar com os rubro-negros nas últimas decisões, então, optavam apenas por manter a rivalidade por meio de discursos provocativos e inoportunos, às vésperas das finais.

A data 4 de setembro de 1938 é histórica para nosso rival. Foi o dia da inauguração do Estádio da Gávea, a casa rubro-negra. Dia em que os flamenguistas tiveram a oportunidade de presenciar um belíssimo espetáculo de futebol. O Vasco foi o convidado e derrotou o anfitrião por 2 a 0. Mais um motivo para parabenizá-los.

44-52 – Na época do Expresso da Vitória do Vasco, os cruzmaltinos e rubro-negros disputaram 31 partidas. O Vasco venceu 20 e perdeu 4. O Vasco estabeleceu um recorde que, para Assaf & Martins (1999, p. 24), dificilmente será superado, permanecendo por vinte jogos consecutivos sem perder do Flamengo. O drama rubro-negro começou a 13 de maio de 1945 e acabou a 16 de setembro de 1951, ou seja, durou seis anos, cinco meses e oito dias.

1958 – O Vasco conquista o título de Super-Super Campeão Carioca de 58, vencido após dois triangulares finais contra Botafogo e Flamengo. No que foi chamado pela revista Manchete Esportiva de “Ano de Ouro”, o campeonato carioca de 1958 terminou com três times empatados no número de pontos. Então Vasco, Botafogo e Flamengo jogaram um triangular para decidir quem seria o campeão. No entanto, a igualdade permaneceu e um novo triangular foi disputado. O jogo do título foi contra o Flamengo. Vasco 2x0 Flamengo no Supercampeonato, e Vasco 1x1 Flamengo, já no Super-Supercampeonato!

O Vasco conquista também, em 1958, o Torneio Rio-SP, tendo como ilustre vice, o Flamengo. No Clássico dos milhões, os dois times ainda disputavam o título. Vasco 1x1 Flamengo e nada decidido na tabela. Na rodada seguinte, o Flamengo toma um sacode do Corinthians: 3x0. O Vasco então foi para o seu último jogo, contra a Portuguesa, fora de casa. Resultado: Vasco 5 x 1 Portuguesa. Com essa vitória se confirma o vice-campeonato flamenguista, e o título vascaíno!

1982“No peito, na raça, na valentia, na garra, coragem e na técnica o Vasco foi o grande campeão de 82. De fato e de direito. O Flamengo tentou tudo, mas os seus principais jogadores voltaram a atuar mal [...]. O Vasco estava avassalador, imbatível. Estava preparado para ser um grande campeão. Valeu, Vasco: o futebol também é coração e tudo isso você mostrou aos quase 120 mil torcedores” (Wilson de Carvalho, Jornal dos Sports).

“Foi uma vitória justíssima do Vasco, que mereceu conquistar o campeonato. De repente, na véspera da decisão, Lopes muda cinco jogadores porque o time não inspirava confiança ao técnico. Mudou meio time. [...] e o Vasco foi o campeão, mudando todo o enredo que haviam preparado” (Washington Rodrigues, Jornal dos Sports).

“Do excelente goleiro Acácio ao ponta-esquerda Jerson, o time jogou como se deve fazer numa decisão. [...]. Um destaque especial merece, porem, o técnico Antonio Lopes. Sua corajosa decisão de mudar metade do time na hora das finais, que assustou alguns e foi criticada por muitos, teve extraordinária influencia nessa conquista” (Sandro Moreyra, Jornal do Brasil).

Acácio coloca a bola em jogo pra Ernani, que dá uma caneta em Andrade e parte pela esquerda em velocidade, deixando Leandro pra trás. Em seguida toca pro Dinamite que rapidamente devolve pra Ernani mais a frente, que invade a área, chuta e Raul espalma; A bola vai na rede pelo lado de fora! Pedrinho Gaúcho cobra o corner; Marquinho se aproxima da primeira trave, sobe e marca! Era 5 de dezembro, e o campeão foi o Vasco!

Vasco 3x1 Flamengo (Taça Rio)
Vasco 1x0 Flamengo (Final) (Marquinho aos 3' do 2º tempo)

1988 – Para a eufórica torcida vascaína, que gritava "bicampeão" o jogo todo, o melhor ainda estava por vir. Cocada, lateral-direito que fora dispensado anos antes pelo Flamengo, entrava em campo aos 41 minutos do segundo tempo para substituir Vivinho. Aos 44, ficou livre com a bola na lateral e partiu em contra-ataque com todo o fôlego. Na entrada da área driblou Edinho na corrida e desferiu um violento chute de pé esquerdo no ângulo do goleiro Zé Carlos. Vasco 1 x 0. Na comemoração, Cocada tirou a camisa e foi gozar os flamenguistas no banco de reserva! Palavras do Cocada: “Ah, eu e o Bismarck apertamo o Leonardo; ele tentou me driblar, perdeu pro Bismarck; Eu saí em disparada nas costas dele. Bismarck lançou, o Edinho correu comigo e me deu o fundo; eu fiz que fui e cortei pra dentro, chutei de esquerda e nem vi, quando eu olhei a bola tava la dentro!”

Vasco 1x0 Flamengo (Taça Rio)
Vasco 3x1 Flamengo (3º Turno)
Vasco 2x1 Flamengo (Final)
Vasco 1x0 Flamengo (Final) (Cocada aos 44')

1997 – Eliminação do urubu do Brasileirão e mais um passo para o Vasco ser campeão brasileiro! Edmundo entortou o time flamenguista e bateu o recorde de artilharia do campeonato com 29 gols, ao marcar 3 naquela noite de 3 de dezembro.

Vasco 1x0 Flamengo (1ª Fase)
Vasco 1x1 Flamengo (Quadrangular Semifinal)
Vasco 4x1 Flamengo (Quadrangular Semifinal)

2000 – Em 23 de abril, outra data histórica. Decisão na Páscoa, jogo nervoso, não faltou confusões e expulsões. Romário voltava pra casa; Pedrinho humilha Rodrigo Mendes, caneta o rubro-negro e sofre pênalti! A noite é Vascaína! Pedrinho converte em gol a cobrança e parte pra uma memorável comemoração, seguido por companheiros: pediu silencio a urubulândia, e com gestos, silenciava metade do estádio! Não me lembro ao certo, mas em sua direção voaram chinelos e outros objetos não identificados daquela torcida derrotada. Confusões se seguiram naquela partida, qualquer lance habilidoso vascaíno era motivo de briga para os rubro-negros. Pedrinho, conduzindo a bola, a partir do meio de campo em direção ao campo flamenguista, faz umas embaixadas para conduzir mais rapidamente e manter a bola em sua posse. Os flamenguistas entenderam errado! Juan chegou violentamente com uma enorme tesoura pra cima do vascaíno. O juiz apenas deu um cartão amarelo pro criminoso. Leandro Ávila, Fabio Baiano, Beto e CIA foram pra cima do Pedrinho tirar satisfação! Tumultuaram o jogo após a virada vascaína, e impediram um placar maior. Depois que o Romário chutou uma bela bola da grande área no ângulo do gol de Clemer, o Flamengo não viu mais a bola; e assistiu o Vasco o botar na roda. Com 20 minutos do 2º tempo, a Flamengada já vazava do Maraca. Felipe deu um passe de letra ligando um contra-ataque vascaíno que quase resulta em gol. No final do jogo, Amaral quase marca o sexto gol, colocando uma bola por cobertura no goleiro, que estala no travessão! Ficou barato, Vasco 5 x 1 Flamengo, e a torcida vascaína antes do jogo já saboreava o chocolate! 40 mil ovos de páscoa nas mãos dos vascaínos!

*Algumas informações deste texto foram obtidas no site Supervasco.

(Ramon. Em Vasco 2x1 Flamengo - Brasileirão 2002)

Nenhum comentário:

Postar um comentário